Compartilhe

A hipnose no tratamento da depressão

Miriam Pontes de Farias

Dentre os diversos tratamentos com hipnose é o da depressão que tem tido a maior procura.

É importante saber diferenciar uma tristeza comum, de um quadro depressivo. A tristeza, assim como as emoções de medo, ansiedade, raiva e outros sentimentos, fazem parte da nossa vida. Somente quando estão muito intensos e prolongados, é que precisamos procurar ajuda profissional com psicólogo. Vale a pena ressaltar que a tristeza é algo momentâneo, já a depressão é um transtorno que causa sofrimento tanto físico, quanto mental e emocional, gerando também um afastamento ou isolamento social. Na depressão a pessoa perde a capacidade de experimentar o prazer, há um desânimo constante que compromete as atividades e tarefas diárias. O indivíduo não tem vontade de fazer nada, acorda sempre cansado, o sono fica ruim e não é recuperador. É muito comum nos primeiros sinais a pessoa querer se livrar desses sintomas, e alguns fazem uso da automedicação. Recomendo que antes de qualquer decisão precipitada procure ajuda. Em muitos casos, não há necessidade de medicação; o apoio psicológico, com hipnose, poderá ser o suficiente para lidar com o sofrimento acarretado pela depressão. Porém, nos quadros mais graves, é indicado o acompanhamento psiquiátrico para avaliar a necessidade do uso de medicamentos no tratamento da depressão.

Principais características de um quadro depressivo:

– É comum após uma perda significativa o indivíduo apresentar um quadro depressivo, a perda pode ser: financeira, de saúde, ente querido, posição social, profissional ou até mesmo de um animal de estimação.

– Desânimo total, até mesmo para realizar as tarefas de rotina, a pessoa fica sem energia, cansada, desanimada, triste, angustiada, sensível e com choro sem motivo aparente.

– Alteração do apetite, alguns pacientes perdem o apetite, e outros comem demais, compulsivamente.

– Em relação ao sono, há pessoas que dormem demais para fugir do sofrimento, e outras que perdem o sono.

– Quando a depressão já está mais acentuada, compromete a higiene, a pessoa não quer tomar banho, não escova os dentes, não faz a barba (homens) e ficam vários dias sem cuidar da higiene pessoal. – Pensamentos negativos, de menos valia, culpa e fracasso. Nos casos mais graves os pensamentos de morte são muito frequentes e alguns indivíduos chegam à tentativa de suicídio.

– Perda da libido. – É muito comum o paciente se isolar. – Muitas pessoas apresentam dificuldade de concentração, a memória fica ruim.

Como se trata a depressão com a técnica de hipnose: Para começarmos o tratamento com hipnose, primeiro temos que conhecer muito bem o paciente, através de um histórico bem detalhado. É por isso que, raramente, se faz hipnose nas primeiras sessões. Cada paciente, apresenta sua história e suas vivências, por isso, a hipnose é uma técnica personalizada, uma prática específica, o que serve a um paciente, pode não ter qualquer utilidade para outro. Cabe ao terapeuta, formular uma prática adequada à necessidade de cada indivíduo, de modo que, somente a partir da segunda ou terceira sessão, é que começamos a utilizar as técnicas de hipnose. Durante a prática da hipnose, no momento em que o paciente está em estado de transe, há uma ativação do sistema parassimpático, o hipnólogo faz as induções que são adequadas para tratar e investigar a origem da depressão. No transe hipnótico, o paciente irá produzir maior quantidade de serotonina, substância de prazer que é liberada pelo cérebro. Geralmente pessoas depressivas, tem diminuída a produção de serotonina, endorfina e outros hormônios responsáveis pelo bem-estar. Através da hipnose que atua no sistema límbico (sistema responsável pelas emoções), haverá um reequilíbrio dessas substâncias, o que trará um benefício. Sessão após sessão, o paciente será submetido a sugestões que deverão recuperar o seu estado de saúde e equilíbrio.

Voltar



Leia também:

O que é hipnose?


Saiba Mais

O que é auto-hipnose?


Saiba Mais

Mitos acerca da prática da hipnose


Saiba Mais