Compartilhe

Mitos acerca da prática da hipnose

Miriam Pontes de Farias

Muitas vezes, as pessoas não procuram o tratamento com hipnose por causa dos medos que tem em relação à essa pratica. Os mitos podem acabar afastando as pessoas de buscar uma psicoterapia com hipnose. Em geral, os pacientes que procuram o tratamento com hipnose têm muitas fantasias. Na maioria das vezes, chegam muito ansiosos ao consultório querendo resultados imediatos, pois, já passaram por vários tipos de tratamento e não obtiveram melhora.

A origem da palavra hipnose vem do grego, hypnos, que significa Deus do sono, o que é no mínimo curioso, pois a hipnose é um estado intermediário entre sono e vigília, na hipnose a pessoa não dorme, nem perde a consciência. Entretanto, alguns pacientes acreditam que na hipnose vai-se entrar em estado de sono profundo, e quando acordarem o seu sofrimento terá desaparecido.

Outros pensam que a hipnose é um tratamento mágico, que em apenas uma sessão levará à cura definitiva, a pessoa irá se livrar do sintoma para sempre e ficará curada. O tratamento com hipnose é um processo psicoterapêutico, e na primeira sessão não se faz hipnose. Para começar o tratamento com hipnose, é necessário conhecer bastante sobre o paciente; o que se faz na primeira sessão é um teste de suscetibilidade, para saber se o paciente responde bem à hipnose.

Outras pessoas acreditam que o hipnólogo irá colocá-lo em um transe, e ele nunca mais irá sair, ficará no transe hipnótico para sempre, e assim perderá sua identidade. No estado hipnótico o paciente não perde a consciência, fica o tempo inteiro atento à voz e às induções do hipnólogo. Não há como perder a consciência, no final da prática é realizada uma técnica para retirar o paciente do transe hipnótico, e ele lembra de tudo o que aconteceu durante o transe.

Também é comum que muitos pacientes associem hipnose à questões religiosas, acreditam que a hipnose tem relação com práticas místicas. É como se a hipnose fosse um complemento para sua religiosidade e o tratamento pudesse ajudá-los em suas crenças. Hipnose é uma prática neuropsicofisiológica e não tem relação nenhuma com espiritualidade.

Algumas pessoas associam hipnose à regressão, dentro da prática da hipnose há técnicas de regressão que podem ser utilizadas para investigar e tratar as emoções que emergirem do transe hipnótico. A hipnose é uma técnica vivencial, se porventura, o inconsciente do paciente levá-lo a outros momentos de sua existência, o conteúdo emocional que aparecer será tratado, e quando isso ocorre, o paciente tem uma melhora significativa.

Existe ainda o mito de que o hipnólogo tem poderes para retirar a dor ou o sofrimento da pessoa. O hipnólogo não tem poderes sobrenaturais, é apenas um profissional (médico, psicólogo, dentista ou fisioterapeuta) habilitado ou especializado em hipnose clínica.

Há também o mito de que o hipnólogo possa manipular, e influenciar no desejo e escolhas do paciente. O paciente não faz nada que seja contrário aos seus

valores durante a hipnose, não há perda da consciência, e se for sugerido alguma coisa contrária aos seus valores, ele automaticamente desperta do transe.

O pêndulo é a representação simbólica da hipnose. Desse modo, alguns pacientes acreditam ser imprescindível o uso desse instrumento, e que sem ele não é possível realizar o tratamento. O pêndulo é apenas um recurso para colocar o paciente no transe, mas existem diversos, o mais eficiente é a palavra.

A terapia com hipnose, ainda segue envolta numa aura de mistério e dúvidas. Na prática, não passa de uma técnica simples, que leva a um estado de relaxamento profundo.

Voltar



Leia também:

O que é hipnose?


Saiba Mais

O que é auto-hipnose?


Saiba Mais

tratamento das ansiedades


Saiba Mais